14ª Edição “Ciência na Escola”: Mais de 50 mil alunos participam no concurso

14ª Edição “Ciência na Escola”: Mais de 50 mil alunos participam no concurso

O Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”, que se encontra na sua 14ª edição, conta com a participação de mais de 52 mil alunos, milhares de professores, pais, auxiliares de educação, que investem, no seu todo, milhões de horas a difundir ciência e tecnologia para desenvolverem projetos subordinados ao tema «Ciência e Tecnologia ao Serviço de um Mundo Melhor».

Com 13 edições concluídas desde a data do seu lançamento, em 2002, o Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola” continua a promover a dinâmica do desenvolvimento científico e tecnológico nas escolas, criando uma nova cultura de ciência e de inovação. Nas palavras de Ilídio Pinho este prémio «é o que melhor interpreta a minha visão para o papel da ciência no desenvolvimento do nosso país e é isso que justifica que tenha, na Fundação, um lugar especial».

Concorreram à 14ª edição, escolas de norte a sul do país, incluindo Açores e Madeira, assim como escolas das Comunidades de Língua Oficial Portuguesa, nomeadamente, Angola, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Nesta primeira fase, as ideias a concurso selecionadas pelo Júri Regional, encontram-se em desenvolvimento, tendo cada ideia selecionada recebido um apoio, atribuído pela Fundação Ilídio Pinho, que representa mais de 250,000€ para que possam converter as ideias em projetos.

Na opinião de muitos professores, sem estes apoios, nunca teriam hipótese de obter os materiais necessários e o incentivo para desenvolver e concretizar estas ideias, tendo em vista atingir os resultados previstos.

Ilídio Pinho considera que «a ciência é o futuro e se nós não tivermos uma cultura criada, não só nos nossos jovens, como nos professores no geral e no tecido empresarial português, Portugal não vai ter futuro» e Joaquim Azevedo, responsável pelo projeto, refere que «o espírito de observação, a curiosidade, a invenção e mesmo a inovação podem despertar-se desde muito cedo».

Tiago Brandão Rodrigues, Ministro da Educação, enaltece que «14 anos sucessivos e sem hesitações a premiar, em parceria com os Ministérios da Educação e da Economia, projetos das Escolas de todas as regiões nacionais – naturalmente incluindo as ilhas – é obra. É uma obra em parceria, mas é, antes de tudo, mais uma notável obra de quem nunca desiste e antes sempre persiste».

As cerimónias da entrega dos prémios para desenvolvimento, nesta primeira fase, decorreram entre os dias 16 e 19 de janeiro, em Faro, Évora, Porto, Coimbra e Lisboa, e contaram com a presença dos Delegados Regionais de Educação respetivos, do Coordenador Nacional do Prémio “Ciência na Escola”, António Proença, do responsável por este prémio, Joaquim Azevedo e, também, diretores, professores e alunos das escolas. Destaque especial para a presença de Ilídio Pinho, Presidente da Fundação Ilídio Pinho, Tiago Brandão Rodrigues, Ministro da Educação e João Costa, Secretário de Estado da Educação.