CLIP: “Ilídio Pinho defende a escola como motor da sociedade”

CLIP: “Ilídio Pinho defende a escola como motor da sociedade”

O Comendador Ilídio Pinho esteve hoje em Albergaria-a-Velha para conhecer os quatro projetos das escolas do Concelho que estão a concorrer, em diferentes escalões, ao Prémio Nacional “Ciência na Escola”. O empresário ficou muito agradado com o que viu, afirmando que “o segredo do sucesso deste País está nesta sala”. A apresentação decorreu na Biblioteca Municipal, perante uma plateia de alunos, professores e encarregados de educação.

“A escola deve ser o motor da sociedade”, defendeu o criador do programa “Ciência na Escola”, projeto de incentivos ao ensino da ciência em ambiente escolar, que faz agora 15 anos. Reagindo a um repto de António Loureiro, que afirmou que Ilídio Pinho é um empresário que quando olha para uma árvore, tem a capacidade de ver a floresta, referiu que “a floresta sem raízes sólidas fragiliza-se e as escolas são as raízes sólidas da floresta”. O empresário, que defende o trabalho em equipa e a interdisciplinaridade, explicou que as escolas devem estar preparadas para o ensino científico de forma a responderem aos desafios da globalização.

Ilídio Pinho foi recebido pelo Executivo presidido por António Loureiro, com as presenças de Delfim Bismarck, Catarina Mendes e Ana Maria Silva, pelo diretor do Agrupamento de Escolas de Albergaria-aVelha, Albérico Vieira, e pelo diretor do Colégio de Albergaria, Pedro Marques. O Presidente da Câmara de Albergaria enalteceu o trabalho do empresário, referindo a sua preocupação em fazer uma sociedade melhor. O Autarca recordou o Programa Municipal de Empreendedorismo Escolar, que neste ano letivo envolve 70 professores e mais de mil alunos, e o Programa de Incentivos à Criação do Próprio Emprego que, em dois anos, já levou à criação de mais de 40 postos de trabalho em 26 empresas, que apresentam um volume de negócios superior a 1 milhão de euros. “Procuramos fazer a diferença; em Albergaria-a-Velha não fica ninguém para trás”, avançou António Loureiro.

Foram quatro os projetos apresentados e que passaram a fase regional do concurso “Ciência na Escola”. “Semente e a Criança a Crescer”, do Jardim de Infância do Sobreiro, é um projeto coordenado pelo professor Edgar Borges, em colaboração com a educadora Eugénia Martins, e que conta com o apoio de Ana Catarina Gomes, da Universidade de Coimbra. Pretendem-se desenvolver novos vocábulos e noções matemáticas nas crianças, através da compreensão do processo de fermentação do pão.

“Cozinha Molecular”, projeto coordenado pela professora Paula Vieira, do Colégio de Albergaria, tem um caráter eminentemente prático e multidisciplinar, de forma a estimular o interesse pelo conhecimento e método científico, com os alunos a prepararem no local um “caviar” de manga, através de fórmulas comuns à Química e à Culinária.

“Diz-me quem foste … Diz-me quem sou…” é um projeto dirigido a doentes de Alzheimer, que já foi apresentado no Solar das Camélias e na Misericórdia de Albergaria-a-Velha, que visa manter a comunicação e interação com os doentes. O projeto é coordenado pela professora Maria Ramalheira Lemos, da Escola Secundária de Albergaria-a-Velha. O projeto conta a colaboração dos psicólogos João Alcafache e Ana Torres.

Por último, os alunos do 10.º e 11.º anos do curso de Técnico de Manutenção Industrial, da Escola Secundária de Albergaria-a-Velha, apresentaram o protótipo de uma paragem de transportes públicos, designada “EEStop”, que oferece diversas funcionalidades aos utilizadores através de energias limpas. O projeto é coordenado pelo professor Filipe Tavares. Os alunos já estabeleceram uma parceria com a EDP e esperam ter o apoio da multinacional Schmitt.

Os projetos premiados no programa “Ciência na Escola” serão apresentados em Coimbra, nos dias 29 e 30 de junho, na presença de Sua Excelência o Presidente da República, Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, do Primeiro-Ministro, António Costa, e dos Ministros da Educação e da Economia.

Ilídio Pinho explicou que está em preparação um catálogo digital com todos os projetos, para que as escolas possam ter conhecimento do programa científico para poderem fazer upgrades nos seus projetos de ano para ano.

FONTE: Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha